Reflexão sobre Portugal

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a todos os presentes aqui no dia 10 de junho. Neste dia que homenageamos com muita honra aqueles que lutaram, os que ainda lutam e os que no futuro lutarão por um futuro brilhante.
No entanto, vou abordar a seguinte questão aqui: estes últimos dois anos (mais ou menos) em que uma pandemia mundial começou e que parou o mundo trouxe à luz uma amostra da opressão, estigma, ressentimento e terrorismo que nos cerca. Durante este período, pudemos observar em primeira mão um vislumbre de um futuro que se aproxima a uma velocidade atroz.
Vamos encarar os fatos: terrorismo psicológico, dívidas públicas, sistemas oligárquicos, ataques unilaterais, perseguição de fantasmas … vimos tudo isso e muito mais e em grande escala. E muitos se perguntam: onde estão os heróis? Onde estão os partidos eleitos, o D. Sebastião que nos irá salvar num dia de nevoeiro? Em lado nenhum. Sabem porquê? Porque meus caros, a realidade é que estas figuras só existem na nossa cabeça e para que apareçam temos que estimular sua criação para que se torne realidade.
É isso que o Escudo pretende fazer. Com um olhar no passado, uma mão no presente e um pé no futuro, queremos incomodá-los. Queremos agitar as águas. Nós queremos que todos os europeus usem sua maior arma: o pensamento livre. Como alguém disse uma vez: eles podem matar o Homem, mas nunca vão matar a ideia.
E é isso que nos distingue: não queremos os títulos, não queremos saudades. Queremos lutar, queremos deixar um legado de jovens que pensam, que estimulam dia após dia o crescimento pessoal, político, social e económico. Negamos o legado que querem nos deixar: uma dívida pública astronómica, uma maioria PS / PSD à quase 50 anos no governo, um mercado de trabalho estagnado, uma história reescrita pelo batom vermelho, escravidão capitalista. Nós negamos e denunciamos tudo isso. Eles podem-nos tentar calar, podem-nos ofender, ameaçar e talvez até atacar, mas não hesitaremos. Não somos nada menos do que todos estes homens que um dia partiram e não prometeram voltar, que apenas foram com a sensação de que o seu dever iria ser cumprido. Eles foram, lutaram para que a nossa geração pudesse ter um futuro. As datas escolhidas, por melhores que sejam, não representam a gratidão suficiente que todos temos por aqueles que à mercê do inimigo mais que uma vez enfrentaram a morte nos olhos. Como tal, para que possamos marcar esta e muitas outras datas, temos de ter a espada do nosso pensamento afiada, pronta para atacar qualquer inimigo ou traidor.

O escudo não é apenas um movimento, é uma forma de estar na vida. É uma ideia que não queremos deixar morrer. A ideia de que o futuro é nosso e temos que o defender pois dos fracos não reza a história!

0 0 voter
Évaluer l'article
PARTAGER

Consulter aussi

Prospettive N.03 – Palestina: Israele è Guerra Civile

Prospettive – Un Altro Sguardo sul Mondo. Programma del mercoledì 19 maggio 2021 con Puccio …

S’abonner
Notifier de
0 Commentaires
Inline Feedbacks
Voir tous les commentaires
0
N'oubliez pas de commenter!x
()
x

Ce site utilise des cookies. En acceptant ou en poursuivant votre visite, vous consentez à leur utilisation .

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close